Sexta-feira, 13 de Abril de 2007

A evolução da arte foi dirigida, até aos nossos dias, no sentido das harmonias estáticas das formas; isto não quer dizer que não poderá empreender uma orientação dinâmica - no verdadeiro sentido da pala­vra - integrando as leis rítmicas do tempo, ensaiando articular as harmonias espa­ciais nas harmonias temporais, isto é, tentando animar, mediante um processo técnico cinematográfico, as composições de arte plástica: não teríamos assim unicamente uma imagem, mas uma sucessão de imagens regidas por leis rítmico-geométricas. A verdadeira arte cinética é esta tentativa.

 

Toda a obra cinética cujo movimento das formas é metrisado por uma sensibilidade desenvolvida neste sentido, isto é, por uma sensibilidade geométrica conjugada a uma sensibilidade rítmica, parece-nos ar­tisticamente válida. Enquanto o movimento permanecer arbitrário (em certos ensaios cinéticos as formas deslocam-se ao acaso ou segundo o gosto dos espectadores), nós estaremos em face de manifestações originais sem relação com a realidade especí­fica da arte.

 

Por volta de 1950, uma primeira tentativa de promover uma Arte Cinética foi diligenciada por um grupo de artistas ligados à Galeria Denise René. Os problemas téc­nicos suscitados e a oposição dos conceitos pessoais então manifestados levou o movimento colectivo a um ponto morto; cada qual entendeu vencer ou melhor, contornar as dificuldades à sua maneira.

 

As composições "Espacillimité" nasceram desse isolamento sequente. Trata-se sobre­tudo aqui, de respeitar as leis dos espaços e dos ritmos matemáticos. O quadro ci­nético "Espacillimité" foi nesse caminho o nosso primeiro trabalho.

 

Não escondemos o "impasse" em que os obstáculos colocam a execução prática duma o­bra verdadeiramente cinética a nosso ver a noção rítmica do movimento não pode ser atingida senão pela "sugestão" do movimento, e a "sugestão” técnica do movimento não pode ser dada senão pela cinematografia - nada menos de dezasseis imagens con­troladas por segundo. Deste modo, a hist6ria da arte cinética tem sido acima, de tudo, a história duma procura material e prática capaz de solucionar um problema que é antes e sobretudo de carácter técnico.


        © Nadir Afonso



publicado por Laura Afonso às 22:07 | link do post | comentar

mais sobre mim
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

NADIR AFONSO: EROS

Nadir Afonso, A Invenção ...

Nadir Afonso Anos 70

NADIR 16.11.00

NADIR AFONSO - SEQUENZAS

NADIR AFONSO - INTEMPORAL

NADIR AFONSO - RELEITURAS...

Nadir Afonso, arquitecto

NADIR AFONSO - ABSOLTUTO

HARMONIA ETERNA

ERA UMA VEZ UM MENINO CHA...

NADIR AFONSO: ARTE, ESTET...

Nadir Afonso Percorsi per...

CATÁLOGO DE EXPOSIÇÃO: NA...

CATÁLOGO DE EXPOSIÇÃO: NA...

O TRABALHO ARTÍSTICO. REF...

Nadir Afonso. Conversa co...

Catálogo de exposição: Na...

Nadir Afonso: Musas

NADIR AFONSO: UTOPIAS URB...

arquivos

Setembro 2015

Maio 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Março 2014

Setembro 2013

Julho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Setembro 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Setembro 2011

Maio 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Outubro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

absoluto

absoluto 2010

abstraccionismo

abstract

adelaide ginga

aesthetic synthesis

afonso

agostinho santos

alexandre tojal

amarante

ano

anos 50

anos 70

antolóxica

antónio quadros ferreira

ap'arte

arquitectarte

art

arte

árvore

assembleia

assembleia da república

babilónia

barcelona

barcelos

bertrand

bial

biblioteca

biografia

book

boticas

buchholz

caleidoscópio

carlo cambro editore

carlos eirão

cartaz das artes

cascais

catálogo

centro cultural

chaves

cidade

cidades

cidades de um flâneur

coimbra

cultura

degredados

diário de notícias

dinalivro

diogo gaspar

edições afrontamento

editions du griffon

einstein

emoção da geometria

ensaio

ermasinde

erradas crenças

esart

escola belas-artes

escola nadir afonso

escola superior de artes aplicadas

espacillimité

espacillimite

espanha

esposição

estarreja

estética

estoril

exactidão

exposição

exposicão

falsas críticas

famalicão

fascínio

fátima lambert

fundação nadir afonso

futuro

galeria

le sens de l'art

livro

livros horizonte

museu

museu do chiado

museu francisco tavares proença júnior

nadir

nadir afonso

new york

paris

pensamento

período egípcio

pintura

porto

quadrado azul

renascimento

s. mamede

sevilha

universidade lusíada

universo

van gogh

veneza

y grego

todas as tags

links
participar

participe neste blog

blogs SAPO
subscrever feeds